Iconografia em Ordem dos Fantasmas


Parabéns! O blog enriquece muito a leitura do livro com interpretações e opiniões de pessoas de diferentes áreas profissionais. Portanto, como profissional da informática, humildemente gostaria de dar o meu pitaco!

Primeiro sobre o aparelho de mão utilizado nessas ações da narrativa: Tenho a pintura em arquivo... Um minuto... Pronto, aqui esta, mostre-me? - Preciso conferir... Google... Você tem razão, é mesmo um bonsai! - O senhor pode baixar a imagem do João Batista!

Eucajus deixa na imaginação do leito: Nootbook? Smartphone ou tablet?!

Segundo, a bela metáfora da palavra ícone realizada no “Juramento” e no encontro com Leonardo da Vinci. Ícone quer dizer literalmente imagem, ela foi emprestada da arte sacra, para adquirir novas significações no mundo contemporâneo, e tornou-se muito utilizada pelo mundo da informática e da mídia, assim como é empregada para designar uma pessoa que se destaca muito em uma atividade, “ícone” como um adjetivo de grandiosidade, como se a pessoa fosse um dos maiores exemplos no seu ramo.

No mundo da informática, um ícone encurta um caminho entre o usuário e um programa ou função. Cada programa tem um ícone de entrada, para que possamos acessá-lo facilmente. Assim como da arte sacra tradicional, um Ícone sagrado serve como um atalho de acesso a Deus, inspirando o homem na sua conversa com o Criador (oração), indicando uma forma e um caminho de entrada no seu diálogo com Deus. 


Então, se o ícone é revelação do invisível, a Iconografia é aos olhos o que a palavra é para o ouvido. É isso. Ordem dos Fantasmas é pura diversão!


Fábio Aguiar de Medeiros