Sod - O Segredo


A tradição da Cabala relata que o homem é comparado a uma árvore do campo. A palavra pomar, em hebraico Pardes, alude ao Pomar da Sabedoria, visto que as letras desta palavra formam as quatro perspectivas através das quais entendemos a Torá.

A primeira letra refere-se ao Peshat que caracteriza o simples, é o relato literal da Torá. É exatamente o que lemos e escutamos, sem segundas intenções, as idéias são expressas de forma direta.

A segunda letra alude ao Rémez que indica uma insinuação, para um bom entendedor, meias palavras bastam, já que os personagens, as situações e todos os detalhes apresentados pela Torá, inclusive as letras, nos transmitem uma lição sempre atual. Não há uma diferença substancial com o Peshat, mas revela o interior dele. Rémez e Peshat são caminhos de entendimento que "protegem" a Torá, já que ocultam mais do que revelam.

A terceira letra é Drash, que provém do verbo exigir. Esta leitura trás um significado mais profundo do texto do que as anteriores.

A última letra do Pardes é Sod, que significa segredo. O Zôhar, um dos livros mais importantes da cabala, define Sod como causa, já que quem conhece a causa, conhece a conseqüência, ou o "segredo". Ou seja, Sod inclui todas as outras três formas de leitura. Pois, quando compreendo o significado interior com consciência dos objetivos, também percebo a ordem na qual cada aspecto cumpre sua função.

A linguagem da cabala é denominada Linguagem das Ramificações. Assim como uma árvore onde cada ramo cresce de outro ramo. Quem seguir cuidadosamente o caminho dos ramos chegará ao tronco e, depois, às raízes que sustentam a árvore. Para que a Linguagem das Ramificações se revele ao estudioso é imprescindível o estudo dos códigos próprios da Cabala. Esses códigos atuam em todas as perspectivas simultaneamente e, quando conseguimos incorporá-los, adquirimos a sabedoria para enxergar as causas e conseqüências interiores da realidade e da vida.