Ricoeur em Ordem dos Fantasmas


A leitura do livro atribui valor de efeito-signo, o que equivale dizer que “a coisa presente (...) vale por uma coisa passada” (1997, p.320), como um operador intelectual do tempo, que busca completar, pelo viés do imaginário, as lacunas do conhecimento.

No sub titulo, "Falei com Da Vinci..." o autor relembra a proximidade entre a história e a ficção com uma provocação aos historiadores, pois da  sentido ao afigurar-se, ato mediatizado tão caro é para os historiadores, que procuram, por meio dele, reconstruir as verdades históricas como num face-a-face.

Por fim, é pela reconfiguração do tempo durante o ato de leitura que a história se entrecruza com a ficção, e por meio dessa relação entre ambas é que Ricoeur argumenta que será o fenômeno do verossímil que englobará as potencialidades do real e os possíveis da ficção.

Agora vou para minha segunda leitura!

Flávia do Canto